quinta-feira, 4 de junho de 2009

Política de terra queimada

Com base nesta notícia é caso para dizer que o pavilhão morreu.
E é o meio próprio para mandar soares franco pró caralho.
Tal como os políticos em vésperas de deixarem o puleiro, este tipo deu a machadada e abriu caminho para que nos próximos 4 anos não seja possível a construção do pavilhão. Só se for demolirem a casa dele em cascais e fizerem um court de ténis um mini pavilhão para a prática de polo aquático.
Reparem bem no encanto do presidente da câmara com a proposta do Sporting. Mais uma vez o Sporting colocou os seus interesses ao serviço de terceiros e prejudicou os seus próprios interesses.
Como Sportinguistas é mesmo o que queremos é mais projectos imobiliários e mais casas. Vamos investir nesta novidade que é dinheiro certo.
No fim o tipo que é presidente do Sporting vingou-se. Há má fila foi negociar uma dívida na qual os terrenos que vez de irem para o pavilhão (que ele despreza) irão para reabilitação urbana (e não, não se vai reabilitar alterando o PDM e construindo um pavilhão não sei onde).
A vingança, portanto, consumou-se no fim soares franco consegui o que queria, um clube só de futebol. O resto já está em marcha.
Se alguém lhe aplicar um correctivo tipo dias ferreira (que funcione mesmo) terá a minha simpatia e o meu agradecimento.

2 comentários:

Virgílio Bernardino disse...

"Embora não esteja assinado deixo um acordo de princípio para o futuro presidente do Sporting selar, se quiser."

Mais uma razão para votar PPC. É a única saida... do Pavilhão...

8 disse...

Mais uns trocos para os bancos.

A bwin já lançou:

1-Quem vai comprar os prédios com que a CML vai pagar ao Sporting?

2-Quem vai receber a comissão maior?

Saudações Leoninas