sábado, 17 de abril de 2010

A conversa do Pai Natal

Eu, sinceramente, acredito tanto em José Eduardo Bettencourt como acredito no Pai Natal. A escolha das palavras é deliberada: é que eu acreditei no Pai Natal, quando era miúdo. Depois percebi que era uma fantasia e, por muito que me custasse, reneguei totalmente o mito de criança.
O presidente do Sporting já nos habituou a uma conversa cheia de bolinhas coloridas e outros enfeites natalícios, e tenta permanentemente convencer uns quantos a colocar o sapatinho na chaminé, na mira de que um qualquer presente lá seja depositado.
Durante a cerimónia de entrega dos emblemas dos 25 anos de associados, que teve hoje lugar, JEB disse, entre outras coisas, que "Os sócios do Sporting são a única forma de nos afirmarmos na sociedade." E pediu "militância e amor clubístico" depois de, curiosamente, ter afirmado que aquela cerimónia era "a prova da nossa militância inquestionável"... Não deixa de ser um lapso curioso.
Ora eu e muitos militantes sportinguistas estamos fartos de conversa. A gente já sabe há muito que o Sporting precisa dos Sportinguistas, mas, do que nós, de facto, precisamos é de um modelo de gestão credível, que enquadre de maneira satisfatória esta coisa da
militância com a necessidade de as contas baterem certas ao fim do mês. É que no Sporting não se pode aplicar o princípio do "amigos, amigos, contas à parte." No Sporting, amigos e contas constituem um todo indivisível.
Não se pode pedir militância, explorar de forma oportunística os Sportinguistas, servir-lhes restos e reservar a chicha suculenta para os abutres. Isso não é de amigo.
Por isso, dirigindo-me agora directamente ao JEB, eu repito: estou farto de conversa e quero actos! A estratégia de antagonizar (*) ou "flirtar" com os Sportinguistas --que não passam, na verdade, de duas versões do mesmo jogo porco de apenas querer "carne sportinguista para canhão"-- já não pega. Queremos um modelo totalmente diferente de gestão do Sporting baseado no respeito efectivo e palpável pelos Sportinguistas!
O meu amigo vai ver que se esta condição for efectivamente satisfeita (se e só se!), os problemas do Sporting irão desaparecer todos. Até lá guarde a conversa da sedução para os parolos.

(*) A propósito de estratégia de antagonização dos sócios, o seu autor, Soares Franco de tristíssima memória, era um dos que iria receber um emblema pelos 25 anos de sócio. Não se dignou comparecer. Nem uma hora extraordinária sequer o antigo presidente consegue dedicar
agora ao Clube...

3 comentários:

fantasma do Óculo disse...

5 *s! Muitos bom! Eu também acreditei no Pai Natal... mea culpa.

Petinga disse...

100% de acordo.

A conversa do "amigos, amigos, contas a parte" era perfeitamente discernivel logo desde a famosa historia do "querem saber qual e o passivo? Desculpem, nao posso revelar o passivo consolidado por questoes de seguranca".

O que eu ainda nao percebi e do que e que estamos a espera para pedir eleicoes antecipadas. Mais uma temporada como a que agora termina? Mais tiros no pe? E que eles vao continuar a acontecer, certinhos como o destino.

Anjo Exterminador disse...

Como puderam verificar, evitei referir-me também à questão das leoas e do fazer filhos leões, etc, etc. Para além do mau gosto da conversa (o JEB é perito em tiradas mesmo foleiras e não há um cabrão dum assessor que lhe diga que há coisas que um Presidente do Sporting não pode dizer...), a interpretação que se pode fazer de tudo isto é só esta: não temos hipóteses de ganhar no campo, como já viram; portanto, tentem agora a cama...